Opinião

Na conferência de imprensa realizada em 5 de janeiro, no âmbito da cerimónia de início da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia (PPUE), com a presença do Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, o primeiro‑ministro português, António Costa, afirmou: “Teremos seis meses de intenso trabalho.”

Representantes de 16 associações de 14 países da Europa Central‑Norte desenvolveram uma plataforma para organizadores de eventos e apelaram ao Parlamento Europeu a inclusão de representantes da indústria dos eventos nas comissões de Economia.

As perspetivas sobre os eventos em 2021 ainda continuam a ser uma incógnita. Vai ser necessário esperar bastante tempo até que o mundo regresse à normalidade.

As primeiras reflexões sobre 'De A @ Zoom', por Nuno Seleiro.

Muito se tem falado ultimamente sobre plataformas digitais para a realização de eventos online, com a procura a intensificar-se bastante desde o início da pandemia.

Os fenómenos centrais em festivais.

Não podemos falar de expectativas para 2021 sem analisar, mesmo que simplificadamente, o ano de 2020.

Não gosto de clichês mas é um facto que éramos felizes e não sabíamos.

Sem pré‑aviso, o mundo foi acometido por (mais) um violento surto epidémico, cuja duração se desconhece, com propagação e extensão tais que causaram, além da crise sanitária, igualmente crise social e económica, por enquanto, ainda sem fim à vista.

A lista é curta. É ridiculamente curta. Contém apenas um item: fazer tão bom trabalho no online como fazíamos onsite.