Reportagens

Manifestação da APEFE: o que será de um país sem cultura?

As grandes malas pretas, onde os produtores técnicos de eventos guardam e transportam os seus equipamentos, mudaram novamente a paisagem de Lisboa, chamando a atenção da população para o trabalho invisível de milhares de profissionais do setor de eventos. Era este o cenário à entrada do Campo Pequeno, o palco escolhido para a manifestação da Associação de Promotores de Espetáculos, Festivais e Eventos (APEFE), que decorreu no passado sábado e na qual participaram outras associações do setor, bem como artistas, produtores, técnicos, agentes culturais e outros profissionais.

Ricardo Ribeiro, Mariza, Carminho, Aurea, Kalú e Salvador Sobral foram alguns dos muitos nomes do meio artístico que engrossaram a plateia, onde mais de 1.200 pessoas aplaudiram entusiasticamente os discursos que destacavam a situação alarmante da cultura e dos seus profissionais. Em discursos breves e contundentes, artistas e responsáveis de organizações questionaram “quem assume a decisão de acabar com a cultura” e “o que será de um país sem cultura”.

 

eventpoint eventos events festivais festivals espetaculos show cultura manifestacao

 

Sandra Faria, presidente da APEFE, falou sobre os 130 mil trabalhadores em situação vulnerável, com as quebras em 87% dos contratos; Pedro Magalhães, da APSTE – Associação Portuguesa de Serviços Técnicos para Eventos, mencionou um sentimento de injustiça perante as medidas governamentais que omitem o setor; João Carvalho, promotor do festival Paredes de Coura, falou que os festivais são um ativo económico importante para os destinos; o ator José Raposo perguntou porque é que a ministra da Cultura não estava presente no evento que lhe diz respeito; e o ilusionista Luís de Matos acusou o Governo de anunciar medidas hipócritas, que não levam em conta as características do setor, e acrescentou: “Seria também bom que não deixassem morrer todos os técnicos, senão, para o ano, não haverá comícios e campanhas partidárias.”

Álvaro Covões, da Everything is New e da direção da APEFE, referiu que o setor da cultura precisa de ser apoiado ao abrigo da 'Bazuca Económica', que vai chegar da União Europeia. O responsável afirmou que, “em 45 anos, nunca fomos apoiados pelo Governo” e que o setor “substituiu, inclusive, o Estado na geração de público e na sua oferta cultural”. Passados nove meses do início da pandemia em Portugal, Álvaro Covões sublinhou o sofrimento do setor e a luta que este faz “para se manter vivo”, lembrando os profissionais e as empresas que fizeram investimento em formação e tecnologia e que assistem hoje à dissolução dos seus negócios. “Uma verdadeira situação de miséria e fome.”

“É preciso que o Governo reconheça que a oferta cultural é importantíssima para a sociedade e para a economia, pois o turista não vem cá só ver azulejos, beber vinho ou comer bacalhau. Os 27 milhões de turistas vêm a Portugal também pela sua riqueza cultural, pelos seus espetáculos, convenções, congressos e festivais topo de gama. Temos de manter a nossa diferenciação como destino e a cultura e o setor dos eventos pode ajudar a garantir isso”, frisou Álvaro Covões, que adiantou que o setor está a dar “um grito de alerta” aos governantes “para que olhem por nós e que nos vejam como um investimento”. “A cultura é um dos pilares da democracia e da liberdade, bem como da saúde mental dos cidadãos. Se quiserem manter o setor, é preciso investir e injetar capital nestas empresas”, adiantou.

 

eventpoint eventos events festivais festivals espetaculos show cultura manifestacao

 

A manifestação no Campo Pequeno promovida pela APEFE, que seguiu à risca todos os protocolos de higiene, distanciamento e segurança exigidos pela Direção-Geral da Saúde, contou também com a participação da APSTE, da Associação para Gestão e Distribuição de Direitos (AudioGest), da Associação Fonográfica Portuguesa (AFP) e da Associação Portuguesa de Empresas de Artistas de Circo (APEAC).

 

Tags: Eventos, Espetáculos, Festivais, Cultura, Manifestação, APEFE

23-11-2020