Lifestyle

O património é a sua casa no Palácio Belmonte

Uma porta vermelha, discreta, anónima e pesada, separa um pitoresco pátio pavimentado, de um foyer íntimo e histórico, num silêncio quase monástico.

Quando a porta se fecha atrás de nós, o brilho do sol da manhã de Lisboa é substituído por tons mais suaves; o contraste sensorial é imediato e bem‑vindo. Este é um dos muitos contrastes que os hóspedes do requintado Palácio Belmonte poderão experimentar durante a sua estadia.

Em frente à entrada, duas figuras esculpidas em madeira pendem da parede, conduzindo os hóspedes a um antigo lance de degraus de pedra calcária, cuja pátina é caracterizada por marcas ou entalhes. Representam os milhares de passos dados antes, ao longo de uma longa e distinta história, que serviu de residência a Pedro Álvares Cabral, Marquês de Atalaia, Duque de Loulé e Conde de Belmonte.

O Palácio é um monumento nacional e um dos hotéis boutique mais cativantes do mundo. Tem o endereço e localização mais exclusivos da cidade, ao lado da entrada do Castelo de São Jorge, no bairro de Alfama, partilhando a mesma elevação, vistas e muros antigos. Integra uma torre romana (138 aC) e duas torres mouriscas do século VIII, que acabaram por se transformar numa residência em 1449, ampliada e concluída em 1650 com toques decorativos finais, concluídos em 1725.

Hoje, alberga suites íntimas e espaços cheios de arte contemporânea, artefactos antigos, esculturas, características de época, livros e móveis estimados. Todos pertencentes e selecionados por Frederic Coustols, um francês, que comprou o Palácio Belmonte no início dos anos 90. Ele diz que “o Palácio é um compósito português, uma construção vernacular, que tentei trazer de volta às suas origens, uma casa. Passei um ano a ouvir, a bater nas paredes, a entender. Sempre foi uma casa, com a mesma família apenas com títulos diferentes, por quase 600 anos ”.

eventpoint revista eventos turismo de negócios portugal

Com um profundo amor e conhecimento de arte, arquitetura vernacular e sustentabilidade, Coustols restaurou este icónico e precioso edifício histórico, transformando‑o num santuário de património e luxo. A partir da entrada, a escadaria de pedra segue em direção ao ‘Piano Nobile’, contendo o salão palaciano ‘Maria Ursula’, ao lado do ‘Governors Room’ e cercado pelas mais íntimas ‘White & Red Libraries’, onde Coustols é frequentemente encontrado. Os espaços formaram o núcleo da “casa” por muitas centenas de anos, onde as gerações da família teriam jantado e entretido.

O senso de “casa e família”, sustentabilidade e, claro, arte, são componentes‑chave da singularidade do hotel. Talvez o mais revelador seja o contínuo desejo de Coustols de manter esse ADN residencial, como parte da conservação e preservação geral, enquanto acrescenta regularmente novas peças de arte no status quo.

“A arte contribui para a liberdade e a liberdade é muito importante neste mundo, é rara. A coleção de arte no PB é muito eclética, é o meu próprio gosto ”, acrescenta Coustols. As obras vão desde cartas escritas e assinadas pelo Rei e Rainha, tapeçaria, escultura feita por um artista checo e, atualmente, uma instalação de luz semelhante à holográfica que lança as cores do arco‑íris pelos pátios de paredes brancas chamada “Spectral”.

Além dos espaços para convidados do “Piano Nobile”, onze suites excepcionais aproveitam ao máximo a linhagem arquitetónica histórica, tanto no interior como no exterior, deixando a sua marca

no mais peculiar dos layouts labirínticos. É aí que património, exclusividade e design se fundem para proporcionar esta individualidade que ilustra o passado com tanta eloquência. As suites receberam o nome de figuras importantes da história portuguesa: Fernão Magalhães, Egas Moniz, Fernão Mendes Pinto, Gil Vicente e Bartolomeu de Gusmão, entre outros.

Cada suite é tão refrescantemente diferente, que os únicos aspetos que têm alguma forma de uniformidade são a garantia de elegância e uma vista magnífica sobre Lisboa. A suite Ricardo Reis assimila uma escadaria medieval em espiral para os hóspedes chegarem ao seu quarto, o que os mergulha nos frescos do século XV nas paredes, sobre os painéis de azulejos do século XVIII do Mestre Valentim de Almeida. Eles explodem de cor quando as velhas janelas fechadas se abrem e a famosa luz do dia de Lisboa ilumina ambos.

De facto, os distintos azulejos azuis e brancos, que retratam a música, a arte e a vida da nobreza dos anos 1700, correm como uma fita nas paredes caiadas do Palácio, um fio constante no hotel e símbolo da cidade e de Portugal. Existem cerca de 3.700 azulejos no Belmonte.

O promontório do Palácio atravessa um panorama que vai de leste a oeste, desde a Ponte Vasco da Gama (Vasco da Gama foi recebido no Palácio aquando do seu retorno triunfal da Índia), até à Ponte 25 de Abril. Cada janela e varanda, captando um aspecto de Lisboa. O olhar a tentar ligar as duas pontes, com os telhados de telhas de terracota aparentemente intermináveis e irregulares através de Alfama e São Vicente de Fora, com o rio distante em constante contraste e pano de fundo.

Em 1723, Manuel dos Santos e Valetim de Almeida foram os responsáveis por decorar o Palácio com cinquenta e nove painéis originais de azulejo, que levaram dois anos para serem concluídos, “e em comemoração desta grande obra, houve uma grande festa com o rei e ministros convidados”, Coustols continua.

Coustols e sua esposa Maria teceram um design contemporâneo por todo o Palácio, e talvez a suite com terraço “Amadeo de Souza Cardoso” reflita isso. Uma escada em espiral moderna suporta uma plataforma de mezanino com cama japonesa king size, para ajudar a preencher o espaço volumoso. Este sublime trono é um local ideal para apreciar a mobília contemporânea angular, com um certo aspecto “Bauhaus”; a biblioteca e a casa de banho em mármore juntam‑se à coleção de painéis de azulejos do século XVIII para proporcionar opulência.

O terraço do jardim é um refúgio do encanto do sul da Europa, outro recanto para olhar para o fluxo e refluxo da vida em Lisboa. Sob a sombra manchada criada por ramos de pinheiros, os hóspedes podem sentar‑se e absorver as cores e os sons que mudam das ruas de Alfama, tendo um vislumbre dos eléctricos amarelos vintage a subir e a descer as colinas entre residências apertadas. O fluxo constante de água, da piscina de borda infinita de mármore preto, é outro acompanhamento para desfrutar dentro do oásis murado, como é o toque dos sinos da igreja da Catedral da Sé.

A arte em constante mudança, juntamente com um fluxo regular de escritores, artistas e compositores que permanecem no Belmonte, mantém os espaços frescos e criativamente inspiradores. Mantém uma ligação constante entre o antigo e o novo, enquadrando o passado com o futuro. Acima de tudo, o Palácio é uma autêntica amálgama de arquitetura através dos tempos de Lisboa, tal como continua a ser uma casa, um hotel, uma galeria e um Palácio.

Coustols transmite mais um pensamento: “Sempre gostei de areia e pedras, sou colecionador de paisagens e adoro colecioná‑las, já que são gratuitas”, filosófico, mas interpretável depois de uma estadia em sua “casa”. Os hóspedes devem admirar, absorver a atmosfera e adicionar mais uma pegada sobre os degraus antigos, antes de sair por aquela porta vermelha anónima.

Ramy Salameh *

*Viajou a convite do Lisboa Convention Bureaux 

 

Tags: Palácio Belmonte, Hotéis

27-06-2019