Notícias

“Subitamente, os telefones deixaram de tocar”

O primeiro de dois pequenos-almoços debate organizados pela APECATE, com o apoio da Event Point, para discutir o impacto da Covid-19 no setor dos eventos.

Uma vintena de participantes, associados da APECATE, mas não só, representando organizadores de eventos corporativos, e desportivos, soluções de software, operadores de logística, catering, PCOs, hotelaria, restauração, venues, deram testemunho neste encontro no Hotel Sheraton do Porto de como em poucos dias a vida deles mudou radicalmente, e de como a atividade das respetivas empresas abrandou drasticamente, ou parou mesmo. “Subitamente, os telefones deixaram de tocar”.
 
Um dos primeiros pontos abordados foi mesmo a ausência de diretivas claras, por parte das autoridades competentes, sobre que eventos podiam ou não realizar-se no país [durante a manhã ainda não tinha sido feita a comunicação, por parte do governo, que viria a ser feita mais tarde pela ministra da Saúde], deixando para os promotores o total ónus da decisão. E sobretudo deixando-os sem um motivo de força maior para apresentar junto dos seus fornecedores, público, patrocinadores, etc., deixando-os por isso à mercê de políticas de cancelamento, de reclamações, de pedidos de devolução de patrocínios… E aqui as atitudes têm sido muito distintas, desde as empresas que, perante um adiamento ou cancelamento, devolvem todo o dinheiro já pago (algo que se tornará insustentável se a situação se mantiver, por dificuldades de tesouraria), aquelas que deixam um crédito para usar mais tarde, mas também as que cobram o valor previsto nos contratos para cancelamentos.
 
Quanto a medidas que possam de alguma forma ajudar as empresas do setor a ultrapassar este período, as mais referidas foram o adiamento do pagamento do IVA e a dispensa de pagamento da TSU ou, dito de outra forma, tudo o que possa apoiar a tesouraria das empresas. E ao mesmo tempo criar regras laborais de exceção como um regime de lay off, para parte ou para a totalidade dos trabalhadores, sem perda do vínculo à entidade empregadora.
 
Perante a decisão de adiar ou simplesmente cancelar os eventos previstos, também foi dito por vários intervenientes que não haverá capacidade do mercado para acomodar a mudança de todas as datas, levando a uma concentração de iniciativas nos meses seguintes à passagem deste surto. Nem os venues terão dias disponíveis, nem os organizadores e fornecedores terão meios, materiais e humanos, para responder a todas as solicitações, estando assim perante perdas que são irrecuperáveis, ou que só poderão ser mitigadas num período mais alargado de tempo, além de 2020.
 
Estamos neste momento a lidar com cenários que mudam muito rapidamente, e que podem assumir contornos mais ou menos graves. Algo que ditará, por sua vez, as reais consequências deste surto para as pessoas, e para a economia do país e do resto do mundo.
 
Os resultados deste primeiro debate, que terá nova ronda na próxima quinta-feira, em Lisboa, foram depois levados pela APECATE a uma reunião na tarde de ontem com a Secretária de Estado do Turismo e com o presidente do Turismo de Portugal, onde foi transmitido que o governo irá tomando mais medidas, consoante o evoluir da situação, e que o setor deve mobilizar-se para começar a preparar a retoma.
 
Entretanto, esta tarde está já marcada nova reunião da APECATE e das outras associações que compõem a CTP - Confederação do Turismo de Portugal com o ministro da Economia.

Todas as notícias sobre a Covid-19: http://www.eventpointinternational.com/pt/tags/Covid-19

Tags: APECATE, Coronavírus, Covid, Covid-19, Eventos

10-03-2020