Entrevistas

Vida de eventos: José Luís Lourenço

Departamento de produção da Altice Arena.

Foi através da SuperFM Rádio Rock, rádio que ajudou a fundar e onde trabalhava, na década de 90, que José Luís Lourenço chegou à área dos eventos. Foi contactado por uma agência de publicidade para organizar eventos em vários pontos do país por ocasião da abertura de lojas da marca Levi’s.

“O briefing da casa mãe determinava que as festas de inauguração tinham que ter artistas na área do rock e do hard rock. Procurei uma boa banda de covers e encontrei os Gang na Garetejo”, conta, revelando que a primeira festa, em Setúbal, juntou cerca de três mil pessoas”. Os clientes ficaram bastante satisfeitos e José Lourenço descobriu uma paixão: “Fui aí mordido pelo bicho da produção de eventos e já não me via a fazer outra coisa”.Os anos passaram, a dimensão dos eventos em que está envolvido cresceu e diz encontrar motivação em “estar rodeado de pessoas criativas e ver nos momentos adversos que nós, portugueses, somos muito bons nesta área e temos uma capacidade de pensamento lateral (a arte do desenrasca) que poucos têm lá por fora”.

A ausência de rotina e os constantes desafios que lhe são colocados são a melhor parte de trabalhar em eventos. Por isso, é fácil definir do que mais gosta nesta atividade: “O facto de nunca estar a trabalhar da mesma forma ou na mesma coisa dia após dia e de ainda me surpreender com este mundo fantástico de espelhos e fumo que são os espetáculos e os eventos corporate”.

Histórias da estrada e dos palcos

Entre as muitas memórias da sua carreira destaca a noite de encerramento da Expo 98, em que Chuck Berry atuava na Praça Sony. José Luís Lourenço conta que, “10 minutos antes de entrar em palco, decidiu que não deixava que o show passasse no Jumbotron”. Um problema quase tão grande como a dimensão da plateia: “Tínhamos cerca de 40 mil pessoas à frente do palco e só as primeiras 5000 é que viam diretamente o palco. Foi um momento de algum pânico controlado, mas com uma reconfiguração rápida do dispositivo de segurança foi possível controlar o estrago”.

Momentos há em que o pânico se transforma em gargalhadas e um dos mais hilariantes que viveu ocorreu em 1995: “Ao fazer o reconhecimento de um local onde se iria realizar um dos espetáculos de campanha de um partido político, perguntei onde poderíamos ir buscar a corrente elétrica, já que precisávamos de 125 amperes trifásicos com neutro e terra. O responsável local do partido disse que já estava tratado e, apontando para um quiosque que ficava num canto da praça, disse: ‘pode ligar o que quiser que o senhor Fernando do quiosque depois faz contas quanto ao consumo. E eu respondi que não era boa ideia, porque o quiosque era de alumínio e era capaz de derreter com a energia que íamos tirar de lá”.

Mais difícil é escolher um momento em que as coisas não correram bem ou podiam não ter corrido bem: “Este assunto dava para ficarmos aqui umas horas à conversa pela simples razão de que o facto de as coisas às vezes não correrem bem é a verdadeira razão de esta quantidade enorme de profissionais existirem. Falo de produtores, gestores de palco, stage hands, riggers, técnicos de som, vídeo e luz, etc. Nós existimos porque num evento a Lei de Murphy está sempre presente e este conjunto de pessoas está lá para a travar”.

Lembra, ainda assim, dois exemplos dessas situações. Uma aconteceu aquando do espetáculo de Ricky Martin no Altice Arena: “Recebemos um telefonema de Madrid, no dia anterior, às 23h00. O tour manager avisava que iam chegar muito atrasados a Lisboa por um lost in translation com o promotor local que se ‘esqueceu’ de marcar stage hands para a desmontagem. Resultado: chegaram às 13h00 a Lisboa, quando deviam estar cá às 08h00. Ninguém almoçou e conseguimos abrir as portas com apenas 20 minutos de atraso em relação à hora marcada”.

“No fim foi bom receber os cumprimentos do tour manager, que nos disse que não desmarcou o concerto porque sabia que as equipas em Lisboa são extremamente competentes e eficientes. Sabe bem ouvir estes cumprimentos ao fim de um dia de 16 horas a trabalhar”, revela.

Outro exemplo de algo que poderia ter corrido menos bem foi um evento de uma multinacional da área dos petróleos na Sala Tejo. “O evento destinava‑se à imprensa e franchisados, para apresentação da nova imagem das bombas de combustível que iriam implementar. Para isso fizeram um cenário 2D à escala 1:1 que era montado com fita dupla face a umas ripas de madeira afixadas num andaime. Cinco minutos antes de abrir portas toda a estrutura em K Line impresso desprendeu‑se e caiu. Tivemos que atrasar a abertura e aparafusar as placas às ripas de madeira, o que resultou em 30 minutos de atraso”.

 

Olga Teixeira

 

Leia também: 

Vida de eventos: Marisa Mesquita

 

 

 

Tags: Vida de Eventos, Histórias, Profissionais de eventos

22-06-2020