Entrevistas

Bruno Batista: “Não há limite para a criatividade”

O CEO do Grupo GCI fala à Event Point sobre a criação do Virtual Park.

Em abril do ano passado, o Grupo GCI lançou o Virtual Arena, um pavilhão online para a realização de diversos tipos de evento e que, em menos de um ano, já acolheu mais de 60 eventos. Agora, o grupo lançou o Virtual Park, uma solução para o setor das feiras, que proporciona ainda mais experiências em ambiente digital e que permite eventos em simultâneo.

Em entrevista à Event Point, Bruno Batista, CEO do Grupo GCI, conta como surgiu a ideia de criar o Virtual Park, fala das experiências que podem ser realizadas neste complexo digital e como este pode ser um serviço diferenciador.

 

Depois de criado o Virtual Arena, como surgiu a ideia de criar o Virtual Park?

Surgiu de uma necessidade do mercado. Vários clientes pediram-nos para desenvolver uma solução para o setor das feiras, com mais interatividade, com a possibilidade de ter stands, experiências, salas de conversação privadas e demonstrações de produto, o mais aproximado possível com a realidade. E que pudesse ser utilizada fora destes tempos de pandemia, ou seja, adaptada a um formato híbrido, para conseguir uma evolução global nos eventos.

 

eventpoint eventos events venues feiras exhibitions virtualarena virtualpark

 

Com a criação destes novos espaços, consideram que a experiência no Virtual Arena fica mais completa?

Fica diferente. Imaginem um evento numa arena física e que, para lá chegar, tenho que passar por um complexo com uma oferta de serviços diferenciada. Aqui é igual, posso apenas ir a um evento no Virtual Arena, mas posso passar por stands, show rooms ou ativações de marca relacionadas com o meu evento, ou não. Podemos ainda personalizar todo o recinto ao conceito do evento ou da feira, ou recriar o recinto físico, adaptado e pensado para a experiência digital. Além de possibilitar vários eventos em simultâneo, um centro de exposições com stands, por exemplo, e um auditório com conferências, em simultâneo.

As experiências podem não ser apenas um complemento da sala online? Ou seja, é possível realizar eventos apenas no ‘exterior’ do complexo, por exemplo?

É possível realizar uma feira só com stands exteriores, sim, ou até ter uma presença regular no recinto, onde os visitantes de cada evento podem contactar com a marca.

 

eventpoint eventos events venues feiras exhibitions virtualarena virtualpark

 

Que tecnologia utilizam e o que ela permite realizar?

Não somos uma tecnológica e, por isso, dizemos sempre que a nossa presença é ao nível da inteligência digital. Aquilo que este departamento faz é encontrar a forma de implementar tecnologicamente as ideias que temos para as experiências que queremos concretizar. Programamos código em função do resultado que queremos, sempre centrado no consumidor. Não há limite para a criatividade e cada vez há menos para a tecnologia.

O que pode tornar o vosso serviço diferenciador?

Todo o conceito e a forma como pensamos o evento. Não somos um espaço para realizar eventos, somos criadores de conteúdo. Desenhamos a solução a pensar no objetivo final que queremos. No Virtual Park não há desenvolvimentos standards ou modelo de aplicação. Pensamos cada projeto de raiz.

 

eventpoint eventos events venues feiras exhibitions virtualarena virtualpark

 

Têm sido soluções muito procuradas pelas marcas? E como tem sido o feedback por parte dos clientes?

O Virtual Arena já contou com mais de 60 eventos. O índice de satisfação é muito bom, há clientes que já realizaram cinco eventos no Arena e, também por isso, sentimos a necessidade de inovar nos espaços. No Virtual Park já temos eventos marcados, mas ainda não realizámos nenhum. Apresentámos o produto na semana passada [meados de fevereiro].

A pandemia obrigou as empresas a reinventarem-se. Considera que este tipo de serviços e os eventos digitais vieram para ficar? E é um serviço para manter quando for possível voltar a realizar eventos presenciais sem limitações?

Criou-se um mercado novo. Nos últimos 10 anos, tínhamos feito talvez três eventos híbridos. Evoluímos no último ano nesta área e mostrámos resultados. Acredito que os eventos virtuais vão complementar os físicos e vão existir em paralelo. Há uma questão económica e ambiental a salientar também. Aprendemos que é possível fazer apresentações de resultados ou de produtos sem ter que juntar todas as pessoas e, em todas as ocasiões, conseguimos passar a mensagem e contar a história, com um impacto muito menor, por exemplo, na pegada carbónica. Muito menos deslocações e muito menos custos. Não vamos substituir os eventos físicos no futuro, mas vamos repensar os momentos em que devemos usar cada um dos formatos.

 

Maria João Leite e Cláudia Coutinho de Sousa

©Grupo GCI

 

Tags: Entrevistas, Eventos, Feiras, Venues, Grupo GCI, Virtual Park

01-03-2021