Opinião

A consistência é importante, mas a originalidade também!

Atualmente, os centros de congressos enfrentam um conjunto de exigências cada vez mais desafiantes e algo contraditórias.

Por um lado, espera‑se que eles forneçam os seus produtos e serviços de forma consistente e segundo padrões geralmente aceites do setor, particularmente em eventos que sejam rotativos a nível regional ou global e que, portanto, precisam de ter a certeza de que as suas expectativas serão atendidas numa variedade de diferentes destinos. Por outro lado, eles devem ser capazes de demonstrar recursos e qualidades que reflitam e apoiem uma experiência única, naquilo que é uma parte cada vez mais importante dos eventos de hoje.

Como gerir este equilíbrio é uma consideração importante na forma como a AIPC‑International Association of Convention Centres (Associação Internacional de Centros de Congressos) estrutura os seus programas para membros em mais de 65 países de todo o mundo ‑ e isso acontece de três formas principais.

Em primeiro lugar, é um reconhecimento de que, embora os centros operem com uma variedade quase infinita de condições e circunstâncias, todos eles têm muitas das mesmas questões a serem resolvidas. Isso significa que a experiência coletiva e a experiência de mais de 185 centros em todo o mundo podem ser utilizadas em preocupações comuns ‑ mas a chave é reconhecer a importância de as adaptar às condições e tradições locais para garantir que o sabor único de um destino não é sobrecarregado por soluções padronizadas. Ao optimizar as oportunidades para os membros compararem e contrastarem as suas práticas e experiências num ambiente colegial, cada um pode retirar o que é mais útil das discussões coletivas e aplicá‑las às suas próprias necessidades, de maneira a manter a sua singularidade.

Em segundo lugar, a AIPC oferece uma ampla gama de ferramentas e padrões adaptáveis que, em vez de definirem o que determinados centros devem fazer, indicam como abordar desafios específicos para responder às necessidades e expectativas dos clientes. Essas ferramentas são desenvolvidas em contactos contínuos com grupos de clientes‑chave cujas perspetivas são incorporadas em atividades de desenvolvimento profissional, como conferências e workshops, para garantir que sejam os próprios clientes a esclarecer onde a consistência é mais importante do que tentar interpretar isso através outras fontes.

Terceiro, as formas mais importantes de reconhecimento da AIPC ‑ em particular, o Prémio AIPC Apex de Melhor Centro Avaliado pelo Cliente ‑ são inteiramente baseadas em avaliações dos clientes do centro, incluindo o quão bem os centros concorrentes gerem o equilíbrio entre padrões de operação e consistência e aquelas qualidades frequentemente evasivas que determinam quão bem um centro de congressos e um destino são capazes de oferecer uma experiência local distinta e atraente para os delegados. Essa abordagem enfatiza novamente a importância primordial de cumprir com a satisfação dos clientes, em vez de apenas um conjunto de padrões gerais que podem não dar atenção suficiente ao “wow factor” que tantos organizadores hoje procuram, a fim de satisfazer os seus delegados e atrair o público.

Com tantos conteúdos tradicionais fornecidos por outros veículos, as reuniões e os eventos de hoje estão cada vez mais focados na qualidade das interações e experiências dos delegados, e não apenas nas informações transmitidas. Como consequência, os centros de congressos e destinos devem trabalhar ainda mais para contribuir para essa experiência. Ao conseguir um bom equilíbrio entre bons padrões onde estes são necessários para garantir o sucesso operacional e ajudar os clientes a ter acesso ao que torna o seu destino único, os membros da AIPC são capazes de assegurar o tipo de produto que garante resultados de sucesso a todos.

Aloysius Arlando, Presidente da AIPC ‑ International Association of Convention Centres

Tags: AIPC, Venues

05-06-2019