Opinião

Casamentos adiados.... um mal menor

A quase totalidade dos noivos prevê adiar o casamento.

A BestEvents (a empresa organizadora da BragaNoivos, ViseuNoivos e White Wedding, Porto e Lisboa) e a revista I Love Brides desenvolveram um estudo de mercado junto das empresas do setor do casamento para aferir da quantidade de eventos que estão a ser adiados e cancelados.

A sondagem baseia-se em cerca de 300 inquéritos realizados entre os dias 23 e 29 de Março.

O estudo mostra a preferência dos noivos pelo adiamento. Mais de 96% preferiu adiar o casamento, em vez de cancelar.

eventos event point

Em relação às empresas que se ocupam deste tipo de eventos, 70% admite que teve entre cinco a 15 eventos adiados (até à data do inquérito), um número que, naturalmente, pode vir a aumentar com o evoluir da situação.

event point eventos

Os adiamentos estendem-se ao longo do ano, sendo que cerca de 16% passam mesmo para 2021. A esperança de muitos noivos é conseguir ainda realizar o casamento nos meses de maio e junho. Logo a seguir surge o último trimestre deste ano. Por norma, os meses de verão (julho, agosto e setembro) estão sobrelotados, daí a escolha incidir sobre os meses de outono.

eventpoint

Em termos de cancelamentos, 32% das empresas inquiridas apontam o cancelamento entre 1 e 5 casamentos. 

eventpoint

Os motivos para o cancelamento variam bastante, desde a indisponibilidade de datas nos espaços, a incerteza sobre o que vai acontecer no país, ao receio de incapacidade financeira para levar a cabo o evento. 

eventpoint

Hoje é esta a realidade. Provavelmente, nas próximas semanas os cenários vão alterar-se. Principalmente com mais adiamentos. Apesar de todas as incertezas, é importante que as empresas do setor do casamento estejam em contacto com seu mercado (os noivos). É fundamental comunicar e agir. E esta ação não pode ser apenas no ambiente externo, é necessário olhar para dentro também. Racionalizar gastos, alterar planos de investimento, se necessário; traçar cenários e definir planos de ação. As empresas que não desaparecem quando há problemas, são aquelas que depois merecem a confiança dos consumidores.

Jorge Ferreira, BestEvents


 

 

Tags: Covid-19, Casamentos, Eventos Sociais

31-03-2020