Opinião

O futuro dos eventos

A resposta a esta questão é a resposta que todos procuram, mas existe algo que me parece incontornável, o futuro dos eventos será presencial.

#WhyWeMissFace2Face reflete esse sentimento global e é uma das hashtags mais partilhadas nas redes sociais pelos diferentes players da indústria. Só com a componente presencial é possível respeitar a nossa essência e a necessidade que temos de nos relacionar e criar laços e empatias que favorecem o ambiente para a criação de negócios. Só assim se podem atingir os objetivos globais dos eventos, sejam eles económicos, científicos ou socioculturais. Claro que algumas destas componentes estão também presentes nos eventos virtuais, ainda que de forma diferente pois são realidades diferentes, e essa é uma aprendizagem que ficará deste período.

Depois de perdas de biliões de dólares, reportadas globalmente pelas principais associações o futuro será necessariamente desafiante. Mas essa realidade não nos pode retirar o otimismo realista, que nos deverá pautar a todos.

Apesar das dificuldades presentes, transversais a todos os setores da sociedade, a nossa indústria e o nosso negócio não vão acabar. E este é o pensamento base para começarmos a agir, com a certeza de que a essência do nosso setor continua ativa – a natureza humana.

Depois de vários meses em que assistimos a inúmeros eventos online, e que foram de extrema importância, para nos manter ativos e ligados, fica a certeza de que o virtual nunca substituirá o presencial, mas poderá ser cada vez mais uma ferramenta essencial para determinado tipo de eventos e necessidades de comunicação, bem como um importante complemento ao evento presencial, permitindo ampliar o alcance da audiência, e que em condições normais não poderia estar presente mesmo num período pós‑pandemia.

Toda esta aceleração digital, veio trazer novas potencialidades à indústria e abrir mais oportunidades para formatos futuros e novas perspetivas principalmente na área do Turismo de Negócios e eventos corporate.

Mas nada disto invalida ou substitui a necessidade da envolvência, da partilha de experiências e emoções, de nos juntarmos fisicamente num espaço. O presencial será sempre a pedra de toque da nossa indústria.

Com o passar dos meses, acredito que estamos a entrar numa nova fase, em que os eventos híbridos serão uma solução que permitirá alcançar outros objetivos e aproximar as duas realidades – presencial e virtual – permitindo que se caminhe progressivamente para um novo normal mais próximo daquele a que estávamos habituados.

A Altice Arena apresentou recentemente ao mercado o seu novo modelo de eventos privados que, acreditamos, irá prevalecer nos próximos tempos – um modelo híbrido a que chamámos de Magic Meetings porque alberga em si inúmeras possibilidades juntando os benefícios da proximidade e contacto humano de uma plateia que se junta fisicamente no mesmo espaço, à experiência de participação remota de um número virtualmente infinito de participantes, graças às últimas tecnologias e qualidade de streaming. Com este modelo é oferecida toda uma experiência inovadora com recurso às mais modernas ferramentas do mundo digital como realidade aumentada, avatares e muito mais.

Para além do desenho de novos modelos de eventos acredito que o futuro passará necessariamente pela construção de fortes pilares de confiança junto de decisores e participantes realçando os fatores diferenciadores do nosso destino, dos nossos venues, o que inclui a segurança sanitária em termos de toda a cadeia de valor. Só assim será possível vencer o medo e fazer a confiança crescer progressivamente. Esse é um fator‑chave de sucesso.

É muito importante centrarmo‑nos na ideia de que todos teremos que nos adaptar e reconverter o modelo de negócio e ter noção de que, pelo menos até ser encontrada uma solução para a pandemia, alguma atividade é melhor do que a total ausência da mesma se ficarmos agarrados a modelos do passado.

Cumpre‑nos, por isso, sermos ativos e resilientes agindo em conjunto a bem do setor, apostando no espírito positivo, de entreajuda e de ação que possibilitará que o ecossistema do turismo e dos eventos – o nosso ecossistema ‑ volte ao equilíbrio.

 

Jorge Vinha da Silva
CEO da Altice Arena

 

Tags: Eventos, Altice Arena, Eventos híbridos

07-09-2020