Opinião

Conhecer o passado, compreender o presente e olhar para o futuro

«A Event Point faz em 2021 dez anos. E pedimos a 11 profissionais dos eventos o exercício de pensarem no que pode ser a próxima década.»

2011: Portugal ainda não tinha passado pelo programa da Troika, o primeiro-ministro era José Sócrates. No ano anterior, a Apple lançava o iPad e esperava-se que, em 2011, aparecesse com câmara . O iPhone 3Gs faz furor. Não havia ainda 4G para todos. O Whatsapp estava no seu segundo ano, e os primeiros utilizadores massivos de Facebook surgiram no país, mas a rede móvel e as câmaras ainda não permitiam a partilha fácil de fotografias.

O centro das grandes cidades ainda não estava repleto de turistas. Estávamos ainda a alguns anos de assistir ao crescimento de mais de 50% nesta rubrica.

Amy Winehouse esteve no cartaz do Sudoeste TMN, o concerto foi cancelado um mês antes de falecer. Dois dos três operadores tinham nomes diferentes de hoje.

O que mudou?

Já vamos falar na pandemia, que colocou o mundo em suspenso desde fevereiro de 2020.

Cresceram os eventos. Ganharam APPs. Grandes realizações e prémios com efeitos de sonho com Ledwalls. A realidade virtual não pegou, a audiência passou a estar dentro do evento e fora dele através de telefones móveis que captam informação de todo o lado. Selfies, welfies, eu estou aqui.

Palcos bem preparados e oradores ganharam nome, fizeram carreira. Lançamentos de marca, relançamentos, sunsets e team buildings populam nos meses fortes para eventos do ano. O turismo explodiu, e as viagens de incentivos traziam a Portugal dezenas ou centenas de pessoas que passaram a adorar o nosso país. Ganhamos personalidades marcantes como José Mourinho ou Cristiano Ronaldo, António Guterres como Secretário Geral da ONU, ganhamos o Euro e mediatização e passamos o processo da Troika.

De 2017 a 2020, assistimos ao crescimento, e muito, nos eventos e tudo ao redor. Animação turística e hotelaria. Ganhamos os “Óscares” do Turismo e outros prémiosna realização de grandes iniciativas.

Era suposto eu falar do futuro e não do passado, eu sei. Mas acredito que conseguimos refletir melhor sobre o futuro se conhecermos e respeitarmos o passado.

E chegou a pandemia.

Há quem encare a pandemia com um grande parêntesis entre o passado e o futuro, que mais coisa menos coisa, vamos voltar a 2019. Continuamos a ser um destino apelativo, seguro, temos as infraestruturas, o clima e os bons preços (para os turistas estrangeiros). Tudo vai voltar ao normal. Até vem aí o 5G para aumentar ainda mais o vídeo em telemóveis e a partilha de experiências.

Mas será que é mesmo assim?

Vamos voltar a nos abraçar muito em breve, viajando às 6 da manhã do Porto a Lisboa para uma reunião? Iremos a todos os eventos que antes duravam duas horas em locais de difícil estacionamento no inverno? Teremos equipas de centenas de pessoas nos nossos hotéis em viagens de incentivos, no curto prazo? Dificilmente.

Os próximos 10 anos não vão ser um bloco, como os últimos não foram. Vão ter várias fases, a primeira até ao final de 2022. O mundo está ainda em ambiente remoto e gostou da sensação. Não todos, mas uma fatia grande. Não há um público-alvo, há vários para os eventos. Os jovens solteiros até aos 30 que já querem trabalhar à distância, as famílias mono-parentais e as novas famílias de uma pessoa, que gostam de animais, os ambientalistas, o público de meia idade que (ainda) está no Facebook. Todos procuram motivações diferentes nos eventos.

E o networking? Bom, vamos falar de networking. Em Portugal está associado à troca de cartões, ou a refeições em conjunto por grupos de empresários. Os eventos são bons para networking? São, mas temos de aprender com o que se faz lá fora. Preparar a agenda antes do evento, marcar momentos com os interessados, partilhar contactos e interesses. E não nos encostarmos à mesa dos bolos com o badge virado ao contrário.

Os festivais estarão bem, obrigado. Preocupados com copos recicláveis e ninhos de ativação de marca, mas desses temos saudades. É o comportamento tribal, de pertença, de rejuvenescimento.

Os congressos médicos? É uma boa pergunta. Este público, que estava relutante à tecnologia, foi dos que mais se habituou ao remoto. Será necessário um esforço grande para os trazer para todos os eventos presenciais para que o segmento é convidado.

E a tecnologia, não sou eu de tecnologia? Vamos ter óculos ou tablets com funcionalidades revolucionárias?

Não. Em 10 anos melhoramos as velocidades, e a captação de imagem. Estes quase dois anos de paragem travaram alguns investimentos. Talvez tenhamos telemóveis que se dobram para toda a gente, mas não muda o jogo. Os wearables (relógios e afins) vão ter mais funções. Mas, no fundo, não é por aqui.

É na emoção, na ligação, na criação de experiências únicas, na coordenação do setor dos eventos como um todo, e não em partes. É na compreensão dos vários tipos de eventos para os vários tipos de públicos alvo, é no trabalho profundo das marcas e instituições que estão a repensar o seu Marketing e relacionamento com clientes.

Chegar a 2022 e aplicar as fórmulas de 2019 é redutor para aquilo pelo que passamos a nível global. Cada pessoa agora tem mais presentes as suas motivações, o que valoriza.
Temos a oportunidade de continuar na indústria dos eventos a criar novos e inesquecíveis momentos. Num país único como o nosso.

 

Nuno Seleiro, diretor da Asserbiz
 

Tags: Event Point 10 anos, Futuro, Tendências, Eventos

07-09-2021