ARQUIVO

Estudo da Amiando: o Twitter e os eventos

Que as redes sociais são cada vez mais importantes num evento, é uma impressão relativamente consensual. A Amiando, uma conhecida empresa de software para eventos, decidiu ir além das suposições, e apresentou um estudo sobre a forma como o Twitter é utilizado neste sector. As mais importantes conclusões são as seguintes: o nível da actividade no Twitter não depende do tamanho do evento; 60% da actividade na rede social é realizada durante o evento; 35% dos utilizadores do Twitter no evento colocam 80% do conteúdo sobre ele.

Dez eventos analisados, incluindo um em Portugal

As redes sociais permitem ao organizador e ao promotor do evento saber o que é que os participantes pensam antes, durante e depois da iniciativa. Há um feedback quase instantâneo do “cliente” que pode ser muito útil. É justamente sobre este feedback que se centra o estudo da amiando.com e que pode servir de referência futura aos organizadores de eventos.

Porquê o Twitter? No entender dos promotores do estudo esta é a rede social que oferece mais dinamismo. Os seus utilizadores estão normalmente actualizados em relação às novas tecnologias, e não têm receio de experimentar, partilhar as suas opiniões, sendo que o conseguem fazer em 140 caracteres, o que significa, segundo a Amiando que o feedback fornecido é de qualidade.

Para a realização do estudo foram escolhido dez eventos da Europa, Estados Unidos e Ásia. Os dados foram recolhidos em Abril e Maio de 2010 e posteriormente analisados. São eles: Web 2.0 Expo 2010 (São Francisco), MarketingProfs B2B Forum (Boston), Frozen Rails (Finlândia), Green Venture Summit 2010 (Berlim), Next 10 (Berlim, Art Directors Club Summit (Frankfurt), Switch Conference (Coimbra), TEDx Tokyio (Tóqui), Future of Web Design (Londres) e Gilbane Conference (São Francisco).

Um evento pequeno pode despertar muita atenção no Twitter

A Amiando centrou-se em três questões fundamentais: o comportamento dos participantes no Twitter, quantos são e qual o volume da actividade; o ciclo do evento e a sua relação com a rede social; quais são os participantes mais activos e se é importante dar enfoque a estes quando se planeia uma estratégia ou campanha nas redes sociais. Foram compilados e analisados mais de 31 mil tweets. A primeira conclusão é de que o número de tweets ou de utilizadores do Twitter activos não está directamente relacionado com o número de visitantes do evento. Aliás em alguns eventos acontece algo surpreendente: mais pessoas a twittarem do que as presentes no evento. Isto pode ser explicado se se pensar que em determinados eventos, sobretudo nos mais pequenos, são discutidos assuntos que interessam a certas comunidades, que vão para além das pessoas que assistem ao evento. Assim, as pessoas retwiittam ou twittam sobre o evento, mesmo não estando presentes.

Não interessa o tamanho do evento, mas o conteúdo. O promotor do evento deve criar oportunidades e motivos para que twittem sobre o mesmo. Uma possibilidade, segundo o estudo, é publicar dados online, assim o evento torna-se menos exclusivo para os visitantes. Mas, atenção, também não é conveniente torná-lo tão aberto que depois não haja interesse a que seja efectivamente visitado. É importante, então, pensar na comunidade que rodeia o evento e que o pode seguir pelo Twitter. A recomendação da Amiando é a de que se monitorize o que é escrito sobre o evento e reagir rapidamente. Pode por exemplo retwittar feedbacks positivos ou fornecer algum informação que seja pertinente.

Ciclo do evento

Este estudo mostra que no ciclo do evento a maioria dos tweets são colocados durante a sua realização. Numa análise detalhada, conclui-se que não há grandes diferenças entre o número de tweets colocados antes e depois do evento. A maioria dos tweets analisados e categorizados - cerca de 90% - são neutrais, enquanto que 8,45% são positivos e 0,35% são negativos. A maioria dos tópicos não tem que ver com a organização propriamente dita do evento, mas sim com a partilha de informação, citações. Isto mostra que o Twitter é sobretudo usado como um canal informativo. Raramente esta rede é serve como um canal de feedback, mas quando é usada dessa forma, o feedback positivo é normalmente retwittado e partilhado. É importante que, após o evento, sejam disponibilizadas mais informações online, de modo a que o evento continue a ser falado.

Dar atenção aos utilizadores mais influentes

Nos eventos analisados, a maioria dos utilizadores, cerca de 65%, twittou apenas uma vez. 35% dos utilizadores foram responsáveis por 80% dos posts. No entanto estes grandes utilizadores são normalmente muito lidos e têm grande influência e os seus seguidores estão sempre à espera de informação actualizada. É preciso então, recomenda a Amiando, estar muito atento a estes utilizadores. São uma excelente forma de perceber quais são os conteúdos mais importantes. É possível perceber através, por exemplo, do Twittergrader (http://twittergrader.com) qual é a influência de um utilizador. Mas também é importante encorajar outros utilizadores a twittarem. A melhor maneira é encetar uma conversa directa com eles.

De referir que a Amiando (www.amiando.com) actua na área do software para eventos, nomeadamente credenciação, bilheteira, promoção online e pagamentos. Tendo fornecido serviços a mais de 100 mil eventos, esta empresa ganhou no World Economic Forum o prémio “Technology Pionner of 2010”.