ARQUIVO

Dicas para usar o Twitter em eventos

Usar de forma eficiente as redes sociais pode parecer fácil, mas não é. Exige tempo, profundo conhecimento das ferramentas, e uma grande capacidade de cativar. Para ajudar os profissionais dos eventos a utilizarem com sucesso o twitter, Julius Solaris, um consultor de marketing online e publicidade nas redes sociais, e com expeuiência de gestão de marcas globais, publicou no blogue Event Manager, um mini-guia do twitter para eventos.

Na activação da conta do Twitter do evento deve ser usado um nome curto, e se o evento acontece todos os anos há que evitar colocar a data. É possível usar diferentes hashtags para cada edição, lembra Solaris. Na informação deve constar tudo de forma simple, taxativa, e deve ter ligação ao site e não ao Facebook. A cidade a colocar deve ser a mesma onde vai ter lugar o evento e os tweets devem ser geolocalizados. E quando abrir a conta do evento? Julius Solaris aconselha a que seja seis meses antes para efeitos de promoção.

Os Twitter Ads (anúncios) são interessantes para atingir um grande volume na conta. Conseguem produzir numa semana aquilo que às vezes leva anos a conseguir. Se o evento não contar com nomes fortes (influentes no Twitter e dispostos a colaborar na rede), ou se a marca não for forte, o melhor mesmo é dedicar algum orçamento às redes sociais.

A importância das hashtags

Outro elemento importante no Twitter são as hashtags. Se os participantes do evento são utilizadores da rede é necessário introduzir uma hashtag. Se o organizador do evento não a criar, os próprios participantes vão fazê-lo, e isso não é tão interessante. A hashtag é uma forma do promotor controlar e analisar o nível de notoriedade do evento. Ela deve ser pequena e catchy e constar em todos os materiais promocionais do evento. É decisivo que a audiência conheça a hashtag diz Julius Solaris. Uma forma de promovê-la é através do Twitter advertising.

Como saber se o volume no Twitter cumpriu os objectivos? Antes de mais nada, lembra o consultor, é necessário estabelecer esses objectivos. Depois, para analisar com rigor os tweets relativos ao evento, é necessário ter um software de monitorização. Há ferramentas gratuitas, diz Julius Solaris, e outras mais profissionais como o Radian6 ou o Alterian. Isto vai permitir perceber quais foram os utilizadores mais influentes, os tweets mais reproduzidos, o sentimento de quem assistiu, e se houve alguma cobertura mediática.

Uma das formas de ir acompanhando o que se fala do evento é ter uma Twitter wall (mural), onde o que está a ser comentado aparece visível no evento. Mesmo que o feedbak seja negativo, Julius Solaris acredita que é uma boa ferramenta desde que localizada em locais estratégicos do venue, e desde que haja um moderador. O especialista aconselha: Twitter Wall Pro, Twubs e Tweet Thing.

Envolver os colaboradores

O ideal, quando estamos a falar de eventos com mais de 100 participantes, é ter um colaborador totalmente dedicado à rede social. Se não é possível, a divisão e o acompanhamento do trabalho pode ser feito através da Hootsuite. Uma coisa é clara no entender do especialista, quem tem acesso ao Twitter tem que saber o que está a fazer e tem que estar sintonizado com o tom do evento e com os valores da marca.