Jornadas de Protocolo: aliar o domínio da norma à criatividade

Entrevista

21-11-2022

# tags: Protocolo , Eventos , APOREP

Teresa Byrne é uma das oradoras convidadas para a 17ª edição das Jornadas Internacionais de Protocolo, que decorre a 29 de novembro, em Lisboa.

No evento da Associação Portuguesa de Estudos de Protocolo (APorEP), a fundadora da TByrne Consulting | consultoria & protocolo vai apresentar a sessão ‘Grandes eventos empresariais – os desafios protocolares de hoje’, onde vai partilhar a sua experiência, que resulta do trabalho de anos dedicado ao protocolo oficial, na Presidência da República, e ao protocolo empresarial, na empresa de consultoria e protocolo que criou.

Em declarações à Event Point, Teresa Byrne referiu que pensou que “seria interessante dar um testemunho prático de como é que eu faço, de como é agora versus o que era antigamente. Acho que, cada vez mais, os técnicos de protocolo têm de saber aliar o saber técnico, o domínio da norma, à criatividade e à flexibilidade.”

A oradora explica que “se utilizarmos bem o protocolo, temos uma importante ferramenta estratégica, que nos permite conseguir fazer acontecer aquilo que o cliente, a instituição, a organização tem como objetivo quando faz o evento”. E acrescenta que a forma de fazer acontecer foi reinventada, mas “sem descurar a norma protocolar”, para que, no final do evento, tenha valido a pena.

Essa forma de fazer foi alterada com a pandemia, que obrigou os profissionais do protocolo a serem mais criativos, pois essa criatividade “dá-nos uma capacidade de poder lidar com situações inesperadas”. E acrescentou: “Tivemos de reinventar as cerimónias, alterar os procedimentos e passar, inclusive, a ter muito mais atenção a aspetos, como a responsabilidade civil, fatores ambientais, inovação.”

Sobre a retoma, a fundadora da TByrne Consulting | consultoria & protocolo considera que hoje estão a fazer-se mais eventos. “As pessoas estão sedentas de networking, de se poderem ver cara a cara, de falar.” De qualquer forma, o híbrido mantém-se – “o digital não desapareceu” –, com as suas vantagens (“de um orador poder estar em qualquer lugar do mundo”, tal como o público, que pode assistir ao evento de qualquer lugar e também aceder na hora e posteriormente a conteúdos do seu interesse) e desvantagens (como a dificuldade de prever se as salas vão estar cheias ou não, dada a possibilidade de assistir ao evento em ambiente virtual). No fundo, “estamos numa fase de transição”.

A fechar, Teresa Byrne deixa o convite para as Jornadas Internacionais de Protocolo. “Estas jornadas vão trazer uma componente muito prática – o é que fazemos, como é que no dia-a-dia arregaçamos as mangas e damos a volta à situação… Penso que estar lá e poder fazer perguntas, poder interagir diretamente, pode ser uma experiência muito enriquecedora, porque aprender e trabalhar estas áreas não se vai lá só com leitura, vai-se lá muito com experiência”, afirma, concluindo que participar no evento da APorEP é “poder beber um bocadinho de experiência com as várias áreas que vão estar presentes nas jornadas”.

A 17ª edição das Jornadas de Protocolo decorre a 29 de novembro, em Lisboa, e tem como tema ‘Desafios do Protocolo atual: das cerimónias oficiais aos eventos empresariais’. As inscrições estão abertas até 23 de novembro. Mais informações aqui.

© Cláudia Coutinho de Sousa Redação