Queremos trabalhar!

Notícias

19-08-2020

# tags: Eventos , APECATE

Desta vez recaiu em mim a oportunidade e o desafio de escrever este artigo do Espaço APECATE.

Mas era da mais elementar justiça que ele fosse escrito a várias mãos. As mãos de todos os empresários do setor dos eventos que continuam, ao fim de todos estes meses marcados por esta pandemia, a vislumbrar um futuro incerto e sem terem a noção de quando poderão retomar o seu trabalho, e em que circunstâncias.

Apesar de este ser um espaço disponibilizado à APECATE, e mesmo que nos consideremos representantes de um setor, e de todos os dias termos feedback dos nossos associados e de não‑associados, a verdade é que cada empresário vive esta crise de uma forma única, à sua maneira, e com problemas muito próprios. E por muitas experiências que partilhemos, cada um tem a sua voz e devia ter a oportunidade de se fazer ouvir. Ainda assim procurarei fazer justiça a todos eles. Desde o último texto que escrevi muito aconteceu, mas a nossa vontade era de que muito mais tivesse acontecido. Continuamos, à data de hoje, sem ter recomendações, emanadas pela DGS (Direção Geral da Saúde), com as regras específicas, objetivas e claras para a retoma da atividade dos eventos, incluindo as tipologias de eventos que se podem levar a cabo. E embora tenha sido anunciado o selo Clean & Safe, aplicado à área dos eventos, nomeadamente às empresas de eventos e congressos, até à altura em que escrevo estas linhas, e por razões que nos ultrapassam, ainda não está disponível. Acredito que em breve a situação estará resolvida, mas estes atrasos são também eles penalizadores para um setor tão importante para a economia do país.

Nas últimas semanas, realizamos duas edições do APECATE Day, uma em Lisboa e outra em Braga. O objetivo, entre outros, passou por mostrar que é possível fazer eventos presenciais com toda a segurança, ainda que adaptados ao momento ímpar que vivemos, dando algumas pistas de como, no curto prazo, a tecnologia pode aproximar‑nos. Em Braga, organizamos uma conferência em estilo híbrido, que contou com uma plateia presente fisicamente, mas também online. Esta linha de eventos está a fazer o seu caminho, mas todos temos o objetivo de voltar rapidamente a ter uma vertente presencial com mais fôlego.

É este espírito guerreiro, de não baixar os braços, que nos permitirá continuar nesta adaptação aos novos tempos.

Nestes APECATE Days quisemos realçar também que as empresas estão mais do que preparadas para receber clientes e organizar eventos, e mostrar como a animação turística pode ativar os espaços públicos e o território, em total segurança. Mas o que importava mais refletir, e foi também o que procuramos fazer com estas iniciativas, era sobre como conquistar a confiança dos nossos clientes, porque sem eles todos os esforços envidados até agora tornam‑se inglórios. Os clientes têm de continuar a investir no nosso setor. O investimento em marketing, em comunicação, em ativação de marca, num registo que nos permita trabalhar, é contribuir para o alavancar da economia. E, nesta altura, todos temos de ser agentes de revitalização económica.

Apesar da incerteza relativamente aos apoios, seja ao layoff, seja ao investimento ou ao financiamento, a verdade é que temos de nos focar em estratégias de retoma do trabalho efetivo.

Nós queremos, acima de tudo, trabalhar. Queremos ter condições para trabalhar e que os nossos clientes se sintam confiantes em confiarem‑nos os seus projetos. E esta foi a mensagem mais partilhada e comungada nestes APECATE Days.


© Ana Fernandes Opinião

CEO da Eventors' Lab e vice-presidente da APECATE